Ser grato é ser louco

isabelle-dias-gratidao

Se você me acompanha há algum tempo nas redes sociais, já deve ter percebido que eu tenho um carinho especial pela frase "todas as coisas trabalham juntas para o bem". Na verdade, essa é minha frase predileta. Muito além do online, essas palavras são repetidas por mim constantemente na vida real.

Por conta disso, é realmente difícil me ver reclamando ou resmungando pelos cantos (tirando alguns dias complicados de TPM, claro). Essa perspectiva fez com que eu me considerasse uma pessoa grata.  

Mas nos últimos tempos venho sendo confrontada em relação ao que realmente é a gratidão em um sentido mais expandido da prática. Mais do que acordar e estar feliz por estarmos vivos, como a gratidão funciona quando as coisas parecem completamente fora do lugar? Quando você se sente injustiçado e não consegue superar um assunto? Como a gratidão funciona quando parece impossível ser grato pelo o que está diante dos nossos olhos?

A gratidão não faz sentido

Até bem pouco tempo, achava que gratidão era aquela coisa: "Não tenho tudo o que gosto, mas gosto de tudo o que tenho". Mas venho sendo desafiada a entender um outro lado da moeda.

Na verdade, a gratidão tem poder para encerrar um ciclo de dúvida e instabilidade. Você passa por alguma coisa, seja isso bom ou ruim e simplesmente agradece por aquilo. É um caminho de aceito, agradeço, confio e deixo ir (ele pode funcionar em diferentes ordens). 

Sei que essa ideia pode parecer completamente louca. Não faz sentido agradecer por pessoas e situações que nos fizeram mal, certo? Mas existe algo poderoso nessa loucura toda, gratidão realmente não faz sentido. Ela coloca um filtro na vida capaz de demonstrar como tudo tem propósito, sentido, motivo. Não sei você, mas para mim essa existência tem muito mais cor quando ganha essa perspectiva. 

Dito isso, atitudes de gratidão funcionam como se você olhasse para Deus (e Universo) e dissesse: Ok, eu aceito isso para mim. Concordo com seus planos e sou grato, mesmo sem entender.

Simples, mas desafiador. 

Todas as coisas trabalham juntas

Ao usarmos essa abordagem de gratidão ("Isso precisava acontecer, para esse momento da jornada e tempo.") tiramos um peso do nosso coração. A culpa, desolamento e sensação de não sabermos para onde ir ou o que fazer vão embora. Simplesmente por entendermos que aquilo contribuiu para nosso crescimento, algo maior. 

É a ideia de que todas as coisas cooperam para bem, elevada à potência máxima

Quando realmente incorporamos essa atitude, ela encerra as possibilidades de questionamento, dúvidas ou instabilidade. Encerramos o assunto com chave de ouro: a gratidão

Ao invés de perdermos tempo remoendo com revolta aquilo dentro da gente, abrimos espaço para processar o acontecido de forma mais calma e pacífica. 

Quando somos gratos por algo, entendemos que se aquilo não tivesse acontecido, não levaríamos o baque necessário para uma mudança de curso

Alguns nunca enlouquecem

Sendo bem sincera, esse não é um movimento fácil de se fazer. É extremamente incômodo não ver as coisas acontecendo do nosso jeito. Principalmente quando estamos tomando uma daquelas rasteiras da vida onde parece impossível levantar. Nesses momentos, principalmente, a gratidão funciona como uma mola capaz de nós impulsionar, gerando novo fôlego para seguir na corrida. 

Aceite o desafio de ser grato além dos padrões, da maneira mais louca e radical possível. Isso faz a vida ter muito mais ritmo e leveza. Faz dela uma jornada, não um passeio.